Olá prezados colegas,

Fiz um vídeo demonstrando toda a parametrização do módulo Ativo Fixo para SAP Business One, para controlar contabilmente os créditos de imposto sobre operação de aquisição de Ativos.

https://www.youtube.com/watch?v=8b_iEBv86yc

Espero ajudar

Caso gostem, se puderem deixar minha avaliação agradeço.

Att
Everton Silva

To report this post you need to login first.

5 Comments

You must be Logged on to comment or reply to a post.

  1. Fabio Bilicki

    Boa tarde,

    Boa trilha sonora, vale a pela ficar assistindo, e pelo que vi, agora temos como calcular o CIAP?!, muito bom isso.

    Bom trabalho, poucos sabem usar esse bendito ativo fixo, agora vi como funciona.

    Qual programa você usa pra salvar a tela? eu uso o WebEx Recorder, mas gostei do seu porque faz quadros de anotações.

    Parabéns e um grande abraço.

    Fabio.

    (0) 
    1. Everton Silva Post author

      Bom dia Fábio Bilicki,

      Muito obrigado pelo comentário.

      Realmente a trilha sonora é sensacional, bem melhor do que eu narrando este vídeo kkkkk.

      Na verdade temos como controlar de forma simples o CIAP, pois não temos ainda como levar em consideração os cálculos mais complexos, por exemplo, quando considerado o percentual de faturamento para estabelecer um fator para cálculo da apropriação do crédito. Porém, é possível desenvolver um relatório para isso.

      Atualmente uso o Camtasia 8.1 para gravação de videos.

      Grande abraço.

      Att,

      Everton Silva

      (0) 
  2. Jonatan Ferraz

    Everton Silva, boa tarde!

    Tenho algumas dúvidas e problemas com relação a relatório no módulo de ativo fixo do SAP B1. Será que você poderia me ajudar?

    Eu precisaria por exemplo, um relatório da depreciação por Parceiros de Negócio para poder usar na rentabilidade de contratos mas estou com dificuldades para encontrar os campos e as tabelas. Atualmente estou cruzando as tabelas: ODPV, OITM, ITM8, ITM7, ITM6, etc..

    Desde já agradeço a atenção.

    Att,

    Jonatan Ferraz

    (0) 
  3. lucidio alves

    Olá Everton, muito bom o vídeo, porém encontrei alguns gaps e gostaria de compartilhar.

    O valor do bem a ser depreciado é o custo de aquisição mais os Impostos NÃO recuperáveis. Os impostos PIS, COFINS e ICMS são recuperáveis, logo o valor de aquisição (ou custo do ativo) deverá ser o valor total da nota menos estes impostos.

    Na nota fiscal você usou uma utilização configurada pra “lançar valor dos impostos no estoque”, ou seja, você lançou o valor do impostos na conta do bem (máquinas), sendo assim o valor base para as áreas de depreciação dos impostos será de fato o valor base correto somente para o ICMS, porém valor base incorreto para PIS e COFINS se a nota contenha IPI. O IPI só faz parte da base de cálculo do ICMS.

    Da forma como você colocou a depreciação do ativo também está incorreto, pois ele depreciará com base no valor bruto (valor do produto mais impostos recuperáveis), sendo que o único imposto não recuperável é o IPI, ou seja, a base para ser depreciado é o valor dos produto menos PIS/COFINS/ICMS mais IPI.

    No seu exemplo não tem IPI, então neste caso todos os créditos de impostos estão calculados corretamente, mas a depreciação do ativo não.

    Veja como seria:

    Preço do ativo → 10.000,00

    ICMS → 1.200,00

    PIS → 165,00

    COFINS → 760,00

    Custo do produto → 10.000,00 – 1.200,00 – 165,00 – 760,00 = 7.875,00

    Valores depreciados do ativo →  7.875,00 / 120 = 65,63 (não 83,33 como mostra o vídeo)

    Os valores de crédito dos demais impostos estão corretos, mas isto porque não tem impostos não recuperáveis como o IPI, por que se tivesse o PIS e COFINS estaria incorreto (isto se o IPI estiver 100% não dedutível no código de imposto, que seria o correto).

    Neste caso, se você cadastrar o tipo de depreciação “padrão” com o campo “porcentagem de valor residual” com valor 21,25% (referente à 12% ICMS, 1,65% e 7,6%) a depreciação do ativo funcionária, porém o custo (ou conta “máquinas”) do ativo continuaria incorreto.

    Outro gap que encontrei, mas não analisei muito bem ainda é com relação a baixa nas áreas de depreciação dos impostos, que quando configura como “lançamento indireto” ele cria uma lançamento incorreto na baixa do ativo pela venda, mas quando coloco como “lançamento direto” ele cria uma lançamento incorreto na execução da depreciação.

    Se eu tiver errado em alguma coisa ou se você tiver uma solução para os gaps apresentados, por favor responda. Estou tentando implantar em uma empresa.

    Obrigado!

    (0) 

Leave a Reply