Skip to Content

Ola equipe (esta e do meu amigo Rodrigo Silva)  como algumas pessoas já sabem, eu atuo como Gerente de Projetos focado em soluções SAP, e por diversas vezes me vejo envolvido com metodologias, algumas ate malucas ou criadas pelas próprias empresas, criadas por “gerentes de projetos” quer sejam de implantação de projetos SAP (ASAP e ASAP Focus) ou de gestão de projetos (PMI).
Quero então “provocar” algumas reflexões , com uma pergunta. Até quando uma metodologia complementa a outra, ou uma atrapalha a outra?
Se partirmos dos primeiros projetos SAP executados por volta de 1.996, as consultorias pouco conheciam a metodologia de implementação chamada ASAP (AcceleratedSAP), e usavam de conhecimentos empíricos para auxiliar na condução de seus projetos. Todos ja sabem afinal e elementar mas o ASAP está dividido em 05 (cinco) grandes fases:

1- Preparação do Projeto (BPP)
2- Business BluePrint       (BBP)
3- Realização
4- Preparação Final
5- Go-live e Suporte

Para os conhecedores desta metodologia sabem que apenas na fase de “Preparação do Projeto” é que teremos uma sub-fase efetiva relaciona a “gestão” do projeto, que é o “Planejamento inicial do e lançamento projeto”, nesta existirão tarefas como “Project Charter” e “Organização do Projeto”. Por mais estranho que possa parecer todas demais sub-fases, tarefas e atividades são totalmente focadas na implantação do projeto. E perguntas básicas como “qual o custo de uma determinada atividade?”, ou “como faço para comunicar aos interessados a evolução do projeto?” Estas e outro monte de perguntas não são respondidas com a metodologia ASAP, cujo foco sempre foi de garantir que todas “atividades operacionais” do projeto fossem concluídas.

Bem o mundo muda, evolui, e as pessoas também, e surge um guia de um conjunto de práticas em gerenciamento de projetos o Pmbok (Project Management Body of Knowledge), assim grandes corporações da época, e atualmente qualquer empresa, passaram a seguir este guia lançado pelo PMI (Project Management Institute), que a proposito virou moda, colocar que sou um PMP , voltando , este guia possui uma distribuição de fases de projeto parecidas com o do ASAP, divididas em 05 (cinco) grandes processos:

1- Processos de iniciação
2- Processos de planejamento
3- Processos de execução
4- Processos de controle
5- Processos de encerramento

Estes por sua vez possuem um foco quase que total na gestão do projeto e não no processo de implantação, seus 42 (quarenta e dois) processos (em sua 4ª. edição) estão divididos em 09 (nove) áreas de conhecimentos, a saber:

1- Integração
2- Escopo
3- Tempo
4- Custos
5- Qualidade
6- RH
7- Comunicações
8- Riscos
9- Aquisições

Mas apesar de todos os processos ficam perguntas como “qual será o landscape do projeto?” ou “como será a estrutura organizacional do projeto?” Estas e outras perguntas até poderão ser respondidas dentro da metodologia preconizada pelo PMI, porem “você”, Gerente de Projetos é que deverá saber que existe a necessidade de responder a estas e outras séries de perguntas por fases distintas no ciclo de vida de seu projeto, logo ASAP cumpre o que promete.

Então acredito que ficou um pouco mais claro, ou não, a atribuição ou o espaço de cada uma das metodologias dentro de um projeto, e sem dúvidas é possível entendermos como uma completa a outra e pode sim, ocorrer uma certa sobreposição em alguns casos, apenas temos que tomar cuidado em não engessar os processos e travar o projeto.

Best Regards

Gilberto Disessa Junior

To report this post you need to login first.

Be the first to leave a comment

You must be Logged on to comment or reply to a post.

Leave a Reply